1- John Wall (PG, Washington Wizards): a primeira escolha do recrutamento de 2010 foi o principal jogador do fraco time de Washington. John Wall (foto) teve médias de 16.4 pontos, 4.6 rebotes e 8.3 assistências, em 69 jogos disputados. O armador tem muita moral junto à equipe e potencial para melhorar seu desempenho na próxima temporada. Foi escolhido para o time ideal de novatos da última temporada. Só não ganhou o título de calouro do ano por causa de Blake Griffin. O ala-pivô do Los Angeles Clippers, primeira escolha do draft de 2009, não atuou na temporada de estreia por causa de uma lesão e só entrou em quadra em 2010/2011, quando teve um desempenho notável. Azar de John Wall.

2- Evan Turner (SG/SF, Philadelphia 76ers): o ala do Sixers teve uma temporada de altos e baixos e, de certa forma, não teve o desempenho que os fãs do time da Philadelphia esperavam. Vindo do banco na maior parte dos 78 jogos que disputou, ele teve médias de 7.2 pontos e 3.9 rebotes. Turner deve ganhar mais minutos na próxima temporada.

3- Derrick Favors (PF, New Jersey Nets): talvez tenha sido uma das grandes decepções desse draft. Favors não conseguiu se firmar no fraco time do Nets e foi trocado para o Utah Jazz em fevereiro. Quando atuou pela equipe de Nova Jersey, suas médias foram de 6.3 pontos e 5.3 rebotes, em 19 minutos dentro de quadra. Já pelo Jazz, Favor conseguiu médias de 8.2 pontos, 5.2 rebotes e 1.2 tocos, em 20 minutos em quadra. Na próxima temporada, ele terá que melhorar seu desempenho para ficar na rotação do garrafão, que terá Al Jefferson, Paul Millsap, Mehmet Okur e Enes Kanter.

4- Wesley Johnson (SG/SF, Minnesota Timberwolves): temporada de altos e baixos no time de pior campanha da Liga. Todos esperavam mais de Johnson, que foi titular em boa parte da temporada. Inconstante nos arremessos de quadra, o ala teve médias de 9.0 pontos e 3.0 rebotes, em 79 jogos disputados. O curioso é que, em dois duelos contra o astro Kobe Bryant, ele teve um bom desempenho: médias de 24.5 pontos e 6.0 rebotes. Potencial, a gente viu que ele possui. Tem tudo para melhorar sua performance na próxima temporada.

5- DeMarcus Cousins (PF/C, Sacramento Kings): apesar da imaturidade e de alguns atos de indisciplina, Cousins teve uma boa temporada de estreia na Liga. Em 81 jogos disputados, ele obteve médias de 14.1 pontos e 8.6 rebotes. Terceiro cestinha do Kings, o pivô foi eleito para o time  ideal de novatos da última temporada. Outro que tem tudo para crescer de produção. Com a provável saída de Samuel Dalembert, deve ganhar mais minutos em quadra.

6- Ekpe Udoh (C, Golden State Warriors): o time de Oakland teve a chance de escolher Greg Monroe, mas preferiu selecionar Ekpe Udoh. Azar deles. O pivô atuou em apenas 57 jogos na temporada, obtendo médias de 4.1 pontos, 3.1 rebotes e 1.5 tocos. Passou boa parte da temporada no ostracismo, mas ganhou espaço nos jogos finais. Na próxima temporada, Udoh deve voltar a ser reserva de Andris Biedrins. Também tem a possibilidade de ser trocado. Jogador esforçado na defesa e que não vai passar disso na NBA.

7- Greg Monroe (PF/C, Detroit Pistons): começou a temporada no banco de reservas e com poucos minutos em quadra, mas terminou com uma ótimo performance. Monroe esteve perto de ser escolhido para o time de novatos. Suas médias foram de 9.4 pontos e 7.5 rebotes, em 80 jogos disputados. Entre os meses de fevereiro e abril, Monroe conseguiu médias de 13.0 pontos e 9.2 rebotes. Tem a confiança do Pistons e deve começar a próxima temporada como titular no garrafão. Outro que tem potencial para melhorar o desempenho.

8- Al-Farouq Aminu (SF, Los Angeles Clippers): foi uma decepção na sua temporada de estreia. Com apenas 17 minutos em quadra por partida, Aminu teve médias de 5.6 pontos e 3.3 rebotes, em 81 jogos disputados. O Clippers tem carência na posição 3 e ficou claro que ele não tem condições de ser titular. Na próxima temporada, é bem provável que a equipe de Los Angeles contrate um ala de nome. Com isso, Aminu terá menos tempo de quadra e ficará no ostracismo.

9- Gordon Hayward (SF, Utah Jazz): quando Jerry Sloan ainda era o técnico do Jazz, Hayward não teve muitas chances em quadra. No entanto, após Tyrone Corbin assumir o comando da equipe, ele ganhou espaço e terminou muito bem a temporada. No mês de abril, Hayward obteve médias de 16.4 pontos, 3.0 rebotes e 54% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Contando os 72 jogos que disputou, suas médias foram de 5.4 pontos, 1.9 rebotes e 48.5% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Com a provável saída de Andrei Kirilenko do Jazz, ele deve começar a próxima temporada como titular.

10- Paul George (SG/SF, Indiana Pacers): começou sua trajetória na NBA fora até da rotação da equipe, mas após a troca de treinador – saída de Jim O’Brien e chegada de Frank Vogel – ganhou mais espaço e terminou a temporada como titular. Suas médias foram de 7.8 pontos e 3.7 rebotes, em 61 jogos disputados. Apesar da eliminação do Pacers na primeira rodada dos playoffs, teve boa participação defensiva no duelo contra o MVP da temporada, o armador Derrick Rose, do Chicago Bulls. George deve começar a próxima temporada como titular, mas precisa ter mais agressividade no ataque. Outro que tem potencial para melhorar seu desempenho.

11- Cole Aldrich (C, New Orleans Hornets): trocado na noite do draft para o Oklahoma City Thunder, Aldrich disputou apenas 18 jogos e teve médias de 1.0 ponto e 1.9 rebotes, em cerca de oito minutos em quadra. Por causa da rotação no garrafão do Thunder, Aldrich não teve espaço em sua temporada de estreia. Passou mais tempo na D-League, quando atuou pelo Tulsa 66ers. Provavelmente, a situação de Aldrich deverá ser a mesma na próxima temporada.

12- Xavier Henry (SG, Memphis Grizzlies): ele chegou até a ser titular em algumas partidas, mas durante boa parte da temporada Henry amargou o ostracismo. O jogador, que atuou em 38 jogos, teve médias de 4.3 pontos e 1.0 rebote. Do dia 23 de fevereiro até a última partida do Grizzlies nos playoffs, Henry não entrou em quadra um minuto sequer. A tendência é que o jogador continue fora da rotação da equipe no início da próxima temporada.

13- Ed Davis (PF/C, Toronto Raptors): no primeiro mês na NBA, ele não entrou em quadra um minuto sequer. A partir de dezembro, Davis disputou todos os 65 jogos restantes da temporada. Suas médias foram de 7.7 pontos e 7.1 rebotes. Ele mostrou que pode ser uma boa peça na rotação do garrafão da equipe canadense, ajudando principalmente na defesa e nos rebotes. Na próxima temporada, ele disputará minutos com Amir Johnson. Com a chegada do técnico Dwane Casey, que prima pela boa defesa, Davis poderá ter mais espaço na equipe.

14- Patrick Patterson (PF, Houston Rockets): o ala-pivô começou a temporada sem espaço na rotação da equipe, mas a partir do mês de janeiro ele começou a ganhar minutos em quadra e mostrou muita consistência. Patterson disputou 52 partidas e obteve médias de 6.3 pontos e 3.8 rebotes. Para a próxima temporada, a tendência é que ele continue ganhando minutos em quadra e sendo o reserva imediato do argentino Luis Scola.

15- Larry Sanders (C, Milwaukee Bucks): o pivô não teve muitas oportunidades em sua temporada de estreia na Liga, mas não decepcionou quando entrou em quadra. Em 60 partidas disputadas, ele teve médias de 4.3 pontos, 3.0 rebotes e 1.2 tocos, em cerca de 14 minutos em quadra. Sanders é aquele tipo de jogador que faz o “trabalho sujo” no garrafão. Uma partida, em especial, foi importante para o pivô. Contra o Denver Nuggets, no dia 1de dezembro, ele quase alcançou seu primeiro triple-double na carreira: 14 pontos, dez rebotes e oito tocos. Com os problemas de lesões de Drew Gooden e Andrew Bogut, Sanders poderá ganhar mais espaço na rotação do Bucks na próxima temporada.

16- Luke Babbitt (SF, Minnesota Timberwolves): trocado na noite do draft para o Portland Trail Blazers, Babbitt foi um dos novatos que mais decepcionou na última temporada. Ele atuou em apenas 24 jogos e teve médias de 1.5 pontos e 1.2 rebotes, em cerca de cinco minutos em quadra. O ala passou mais tempo na D-League, quando atuou pelo Idaho Stampede. Provavelmente, sua situação não vai mudar na próxima temporada.

17- Kevin Seraphin (PF/C, Chicago Bulls): trocado na noite do draft para o Washington Wizards, o pivô nascido na Guiana Francesa teve poucas chances na sua estreia na NBA. Seraphin atuou em 58 jogos e teve médias de 2.7 pontos e 2.6 rebotes, em cerca de 11 minutos em quadra. Na próxima temporada, ele deverá continuar sem espaço na equipe.

18- Eric Bledsoe (PG, Oklahoma City Thunder): trocado na noite do draft para o Los Angeles Clippers, Bledsoe foi uma grata surpresa na temporada desastrosa do time angelino. Ele disputou 81 partidas e teve médias de 6.7 pontos e 3.6 assistências. Em alguns momentos da temporada, Bledsoe foi o titular do Clippers por causa das seguidas lesões do armador Baron Davis e não decepcionou. Na próxima temporada, ele voltará a ter espaço na rotação do perímetro, sendo o reserva imediato de Mo Williams.

19- Avery Bradley (PG/SG, Boston Celtics): o armador quase não teve chances em sua primeira temporada na Liga. Em razão da forte concorrência na posição – Rajon Rondo e Delonte West, Bradley disputou apenas 31 jogos na temporada. Suas médias foram de 1.7 pontos e 0.4 assistências, em cerca de cinco minutos em quadra. Com a possível saída de West, ele poderá ter mais oportunidades na próxima temporada.

20- James Anderson (SG/SF, San Antonio Spurs): outro jogador que teve poucas oportunidades em sua estreia na Liga. Anderson disputou apenas 26 jogos e obteve médias de 3.6 pontos e 0.9 rebotes. O detalhe é que ele foi prejudicado por uma fratura por stress no pé direito. Quando se recuperou da lesão, Anderson passou um bom tempo na D-League, atuando pelo Austin Toros. Com a ascensão de Gary Neal e a chegada de Kawhi Leonard, a tendência é que ele continue fora da rotação do Spurs.

21- Craig Brackins (PF, Oklahoma City Thunder): trocado na noite do draft para o New Orleans Hornets, Brackins foi negociado em setembro com o Philadelphia 76ers. O jogador passou mais tempo na D-League, atuando pelo  Springfield Armor, do que no Sixers. Ele disputou apenas três jogos na NBA, obtendo médias de 2.7 pontos e 1.3 rebotes. A tendência é que Brackins continue fora da rotação do time da Philadelphia.

22- Elliot Williams (SG, Portland Trail Blazers): não atuou uma partida sequer na última temporada por causa de uma grave lesão no joelho direito. Na sua posição, Williams terá a concorrência de Brandon Roy, Wesley Matthews e Nolan Smith. Por isso, provavelmente ele não terá muitas chances na rotação da equipe.

23- Trevor Booker (PF, Minnesota Timberwolves): trocado na noite do draft para o Washington Wizards, Booker ganhou espaço na rotação do garrafão da equipe ao longo da última temporada. Ele disputou 65 partidas e teve médias de 5.3 pontos e 3.9 rebotes. Sua melhor exibição foi no jogo contra o Toronto Raptors, no dia 18 de março, quando anotou 26 pontos e pegou 13 rebotes. Devido à escassez de jogadores no garrafão do Wizards, Booker deverá continuar na rotação da equipe na próxima temporada.

24- Damion James (SF, Atlanta Hawks): trocado na noite do draft para o New Jersey Nets, James enfrentou alguns problemas de lesões ao longo da última temporada. Por isso, ele atuou em apenas 25 jogos. Suas médias foram de 4.4 pontos e 3.4 rebotes. James chegou a ser titular em algumas dessas partidas. Na próxima temporada, ele continuará enfrentando a concorrência de Travis Outlaw na posição.

25- Dominique Jones (SG, Memphis Grizzlies): trocado na noite do draft para o Dallas Mavericks, Jones já tem o anel de campeão logo em sua primeira temporada. No entanto, o jogador quase não teve chances em sua estreia na NBA. Jones disputou apenas 18 jogos pelo Mavs, obtendo médias de 2.3 pontos e 1.4 rebotes. Ele passou boa parte da temporada na D-League, atuando pelo Texas Legends. O panorama dele não deve se alterar para a próxima temporada.

26- Quincy Pondexter (SF, Oklahoma City Thunder): trocado na noite do draft para o New Orleans Hornets, Pondexter disputou 66 jogos na temporada, mas com pouco tempo de quadra (cerca de 11 minutos). Suas médias foram de 2.8 pontos e 1.3 rebotes. A tendência é que ele continue a ter poucos minutos na rotação da equipe para a próxima temporada.

27- Jordan Crawford (SG, New Jersey Nets): trocado na noite do draft para o Atlanta Hawks, Crawford pode ser considerado uma das maiores surpresas do recrutamento. Sem espaço no Hawks, ele foi negociado para o Washington Wizards, em fevereiro deste ano. No time da capital americana, Crawford teve um ótimo desempenho. Nas 26 partidas disputadas pelo Wizards, suas médias foram de pontos 16.3 pontos e 3.9 assistências. No jogo contra o Cleveland Cavaliers, realizado no dia 1de abril, ele alcançou o primeiro triple-double de sua carreira: 21 pontos, dez rebotes e 11 assistências. Seu tempo de quadra, que era de cerca de dez minutos, em Atlanta, passou para 33, em Washington. Está cotado para ser o titular da equipe na posição 2 para a próxima temporada.

28- Greivis Vasquez (PG, Memphis Grizzlies): o armador venezuelano conquistou seu espaço na rotação do Grizzlies ao longo da temporada. Vasquez disputou 70 partidas e teve médias de 3.6 pontos e 2.2 assistências. Nos playoffs, ele chegou a ter boa participação no jogo 6 contra o San Antonio Spurs (11 pontos e três rebotes) e no jogo 4 contra o Oklahoma City Thunder (14 pontos e quatro rebotes). Na próxima temporada, Vasquez deverá continuar sendo o reserva imediato de Mike Conley na armação da equipe.

29- Daniel Orton (C, Orlando Magic): o pivô não atuou uma partida sequer na última temporada por causa de uma grave lesão no joelho. Na próxima temporada, se estiver saudável, claro, Orton poderá ganhar minutos na rotação da equipe da Flórida. Vale lembrar que o Magic conta apenas com Dwight Howard na posição 5.

30- Lazar Hayward (SF, Washington Wizards): trocado na noite do draft para o Minnesota Timberwolves, Hayward não teve muitas oportunidades no time de pior campanha da última temporada. Ele disputou 42 jogos e teve médias de 3.8 pontos e 1.7 rebotes, em dez minutos dentro de quadra. Como o time de Minnesota conta com vários jogadores para sua posição (Derrick Williams, Michael Beasley, Wesley Johnson e Martell Webster), Hayward voltará a ficar no ostracismo.

* Dos jogadores selecionados na segunda rodada do recrutamento, apenas Landry Fields (New York Knicks) conseguiu algum destaque. Trigésima nona escolha, o ala obteve médias de 9.7 pontos e 6.4 rebotes, em 81 jogos disputados pelo Knicks. Fields ainda foi eleito para o time ideal de novatos da última temporada.

Legenda

PG: Point Guard – Armador

SG: Shooting Guard – Ala-Armador

SF: Small Forward – Ala

PF: Power Forward – Ala-Pivô

C: Center – Pivô

Quer assistir a um jogo da NBA? Então aproveite o cupom de descontos do Jumper Brasil no Super Ingressos.