Artigos/Destaque/Los Angeles Lakers

Howard será “apenas” mais um Big Man de elite na história do Lakers


Que Dwight Howard é o mais novo jogador do Los Angeles Lakers, todo mundo já sabe. Na franquia, ele será o pivô dominante da NBA, seguindo os passos de George Mikan, Wilt Chamberlain, Kareem Abdul-Jabaar, Shaquille O’Neal e Kwame Brown. Realmente parece que o Lakers gosta de jogar com grandes pivôs (e o único que jogou toda a carreira na franquia foi Mikan), então porque não relembrar suas trajetórias?

George Mikan, conhecido como Mr. Basketball, atuou pela franquia quando ela ainda estava em Minneapolis, de 1947 a 1956 – a mudança para Los Angeles aconteceu em 1959. Com ele sendo o jogador mais importante da defesa na equipe – algo como um Dwight Howard branco e de óculos dando tocos e pegando rebotes em um jogo de basquete feminino –  e aproveitando os seus 2.11m para fazer cestas fáceis, o Lakers conquistou os seus primeiros cinco títulos na NBA (49* ,50,52-54). Suas médias foram de 22.3 pontos e 13.4 rebotes em sete anos de carreira, todos pela franquia – na época ainda não havia a premiação de MVP para os atletas, senão ele teria sido escolhido pelo menos três vezes.

*O título de 1949 foi pela extinta BAA, que se fundiu com a NBL para formar a NBA.

Mikan foi o primeiro pivô dominante da história

Wilt Chamberlain chegou ao Lakers – já em Los Angeles – em 1968, quando já havia sido quatro vezes MVP da liga (60, 66-68) e campeão em 1967 com o Sixers. Ou seja, aos 32 anos seu auge já havia passado, mas mesmo assim foi peça importantíssima no time até a sua aposentadoria em 1973. Com a camisa do Lakers, Wilt teve médias de 17.7 pontos, 19.9 rebotes e 4.3 assistências durante seus cinco anos na equipe. Jogando ao lado de Jerry West e Elgin Baylor, ele aprendeu a duras penas a jogar basquete de forma coletiva, ao invés do jogo individual que praticava até então. Conseguiu ser campeão e MVP das finais na histórica temporada de 1972 – quando Baylor já havia se aposentado – após bater na trave em 1969 e 1970 (dois anos também memoráveis).

Wilt só aprendeu a jogar em equipe no final da carreira

Não muito após a aposentadoria de Wilt, em 1975, o melhor jogador da NBA à época se tornou um Laker: Kareem Abdul-Jabbar, que havia sido campeão e MVP das finais em 1971 com o Milwaukee Bucks (derrotando o próprio Lakers na final da Conferência Leste), e o MVP das temporadas de 71,72 e 74 – em Los Angeles ainda conquistou mais três MVP’s (76,77 e 80) e mais cinco títulos da liga (80, 82, 85, 87 e 88) ao formar uma das duplas mais bem-sucedidas de todos os tempos com Magic Johnson. O inventor do sky-hook, arremesso praticamente impossível de ser bloqueado, e maior cestinha da história da NBA com 38.387 pontos, teve médias de 22.1 pontos, 9.4 rebotes, 4.3 assistências, 2.5 tocos e 56,7% de aproveitamento nos arremessos em 13 temporadas (jogou até os 41 anos).

Com a camisa do Lakers, Kareem se tornou o maior cestinha da NBA

Sete anos após a aposentadoria de Kareem, mais um super-pivô no auge da forma aterrissou em Los Angeles: Shaquille O’Neal. Juntamente com Kobe Bryant e Phil Jackson, ele foi campeão e MVP das finais da NBA por três anos seguidos (00-02), conquistando ainda o prêmio de MVP da temporada em 2000. Porém, ele e Kobe se envolveram em uma disputa de egos que culminou na sua saída da franquia em 2004. Durante seus oito anos com o Lakers, Shaq teve médias de 27 pontos, 11.8 rebotes, 3.1 assistências e 53% de aproveitamento nos lances livres (essa piada nunca vai acabar).

Shaq foi o último pivô dominante da franquia

Por fim, logo após a saída de Shaq, o último pivô importante na história da franquia chegou diretamente do Washington Wizards: Kwame Brown. Sua era em Los Angeles rendeu médias de 7.1 pontos e seis rebotes… Ok, esse parágrafo não é sério. Mas Brown pode sim ser considerado essencial, afinal ele estava presente na troca que  trouxe Pau Gasol para o time, possibilitando os dois títulos mais recentes da franquia. 

Just Kidding

Dwight Howard é considerado o melhor pivô da liga há alguns anos. Aos 26 anos e prestes a iniciar sua nona temporada, pode-se dizer que ele está no auge da forma, tendo médias de 18.8 pontos, 13 rebotes e 2.2 tocos. Já foi eleito três vezes  o melhor defensor da NBA, e liderou o Orlando Magic às Finais em 2009. Será que ele finalmente conquistará um anel?

PS: Menção honrosa para Vlade Divac e Andrew Bynum.


7 thoughts on “Howard será “apenas” mais um Big Man de elite na história do Lakers

  1. Mt Legal !!! Vcs da JumperBrasil sempre trazendo conhecimento pra gente hehe , espero q o Dwight consiga o tão sonhado anel, pq pra mim ele é o melhor da Liga, sem essa d Lebron ou Durant kkkkkkkkkkkk, The Superman é foda !!!!!

      • Legal, o Bynum não é dominante, mas o K. Brown é? Só porque ele trouxe o Gasol, não quer dizer que ele foi importante. O Lakers nem gosta do Gasol!! queria se desfazer dele a qualquer custo na temporada passada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s