Era uma vez uma equipe que contava com um jogador talentosíssimo em seu elenco. Ainda era jovem, e apenas não era titular por opções táticas do treinador, embora fosse considerado peça fundamental tanto para o presente momento da equipe quanto para o futuro. As demais franquias da liga também viam o potencial do jogador, e rumores de uma possível transferência começaram a aumentar perto do fim de seu contrato.

A sinopse acima pode descrever perfeitamente a atual situação de James Harden no Oklahoma City Thunder, não é verdade? Mas não é dele que estou falando, e sim do que Kevin McHale viveu no distante verão de 1983, quando seu contrato com o Boston Celtics acabou e ele se tornou agente livre restrito.

McHale havia acabado de finalizar sua terceira temporada na NBA, e era reserva de Cedric Maxwell desde que entrou na liga, mas seus números e importância na equipe, assim como Harden, não refletiam isso: 12.6 pontos, seis rebotes e 2.1 tocos em 25.7 minutos em quadra. Se fizermos a proporção para 36 minutos por partida, eles sobem para 17.6 pontos, 8.4 rebotes e três tocos. Nada mal, hein?

Por que ele era reserva? Seus números eram melhores do que os do titular, Maxwell (fazendo a mesma proporção para 36 minutos: 15.8 pontos, 6.9 rebotes e 0.7 tocos), assim como os números de Harden são superiores aos de Thabo Sefolosha.

Bom, a forte defesa de Sefolosha justifica sua titularidade, assim como o fato de Harden ser perfeito comandando os reservas durante a partida. Mas McHale? Ele era um defensor melhor do que Maxwell (fez parte do All-Defensive Team em seis oportunidades), e era reserva por questões que só Bill Fitch e KC Jones podem explicar.

Hoje em dia, há a dúvida se Harden continuará ou não no Thunder, porque ele tem apenas 22 anos (fará 23 ainda nessa semana), e pode não ficar satisfeito em continuar sendo reserva – inclusive foi eleito o melhor sexto homem da última temporada. Diferente de outros vencedores do prêmio, como Manu Ginóbili e Lamar Odom, ele ainda não provou o gosto de ser a principal estrela de uma franquia. Estará ele disposto a continuar na sombra de Kevin Durant e Russell Westbrook?

O próprio McHale não ficou sempre satisfeito em ser reserva. Antes de mesmo de assinar seu contrato de calouro com o Celtics, ele quase foi jogar na Itália (O treinador Bill Fitch chegou a dizer: “Deixe-o ir comer espaguete”), e em 1983 ele quase foi parar no New York Knicks. Mas ele continuou na franquia, ganhou dois dos três primeiros prêmios de sexto homem do ano dados pela NBA, se tornou titular da equipe após uma contusão de Maxwell, e fez parte do que foi considerado o melhor time de todos os tempos: o Celtics campeão da NBA de 1986.

E então, Harden será o próximo McHale? Tudo depende dele – afinal, tal qual o Celtics, o Thunder já declarou que pretende manter o jogador na franquia.

Quer assistir a um jogo da NBA? Então aproveite o cupom de descontos do Jumper Brasil no Super Ingressos.